Referências históricas da atividade molinológica em Mira

  • 1095 -  Doação por D. Raimundo e D. Urraca a Soleima Godinho  da villa de Mira e um moinho na fonte de Caraboi;
  • 1342 - Acção entre o rei D. Afonso IV, representado por oficiais do concelho de Coimbra, e o Mosteiro de Santa Cruz. Refere que a terra de Mira faz parte do reguengo de Cantanhede e cita o moinho que dizem das Fervenças.
  • 1514 - O Foral Manuelino atribuído a Mira, na longa enumeração e respectiva taxação dos produtos comercializados na altura a que estavam obrigados ao tributo de portagem os homens de fora do concelho, são referenciados o trigo, o centeio. o milho painça. a aveia e a farinha deles obtida. Isentos de pagamento de portagem sobre a transacção de pão cozido, queijadas. biscoitos e farelo ficavam os homens do concelho.
  • 1645 - Documento de D. João IV, trata de um aforamento de moinhos em Mira.
  • 1647-1652 - O Livro de Vereações, fl. 45v, apresenta o juiz dos moinhos entre os oficiais menores do concelho de Mira.
  • 1780 - A Rainha D. Maria atribui licença de utilização aos Moinhos do Casal (Arraial e Faím?).